Receita de Mulher


Os olhos sejam de preferência grandes

E de rotação pelo menos tão lenta quanto

A da terra. (Vinícius de Moraes)

O seu semblante, redondo

Sobrancelhas arqueadas

Negros e finos cabelos

Carnes de neve formadas. (Thomaz Antônio Gonzaga)

Simpáticas feições, cintura breve,

Graciosa postura, porte airoso,

Uma fita, uma flor entre os cabelos. (Gonçalves Dias)

Verde carne, tranças verdes. (Garcia Lorca)

Lábios rubros de encanto

Somente para o beijo. (Junqueira Freire)

A sua língua, pétala de chama. (Cândido Guerreiro)

Nos lobos das orelhas

Pingentes de prata. (Gonçalves Crespo)

Mão branca, mão macia, suave e cetinosa

Com unhas cor de aurora e luz do meio dia

Nas hastes cor-de-rosa. (Luiz Delfino)

Os braços frouxos, palpitante o seio. (Casimiro de Abreu)

O dorso aveludado, elétrico, felino

Porejando um vapor aromático e fino. (Castro Alves)

Seu corpo tenha a embriagues dos vícios. (Cruz e Souza)

Com mil fragrâncias sutis

Fervendo em suas veias

Derramando no ar uma preguiça morna. (Teófilo Dias)

Nádegas é importantíssimo

Gravíssimo porém é o problema das saboneteiras

Uma mulher sem saboneteiras

É como um rio sem pontes. (Vinícius de Moraes)

As curvas juvenis

Frescas de ondulações de forma florescente

Imprimindo nas roupas um contorno eloqüente. (Álvares de Azevedo)

Qualquer coisa que venha de ânsias ainda incertas

Como uma ave que acorda e, inda mal acordada,

Move, numa tonteira, as asas entreabertas. (Amadeu Amaral)

De longe, como Mondrians

Em reproduções de revistas

Ela só mostre a indiferente

Perfeição da geometria. (João Cabral de M. Neto)

Que no verão seja assaltada por uma

Remota vontade de miar. (Rubem Braga)

A graça da raça espanhola

A chispa do Touro Miura

Tudo que um homem namora

Tudo que um homem procura. (Paulo Gomide)

E todo o conjunto deve exprimir a inquietação e espera. Espera, eu disse? Então vou indo, que senão, me atraso!

(Show da Rhodia: Mulher, esse super homem/1967).

Extraído do livro “Trinta anos de mim mesmo”, Editora Nórdica – Rio de Janeiro,1972, pág. 146.

Tudo sobre Millôr Fernandes e sua obra em “Biografias“.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s