Refletir à Caridade


Como é difícil perdoar, compreender, respeitar imediatamente aquele ou aquilo que ainda não conhecemos ou que não queremos conhecer, zelar pela paz e a harmonia própria e para com o nosso próximo…[…]Desejo compreendais bem o que seja a caridade moral, que todos podem praticar, que nada custa, materialmente falando, porém, que é a mais difícil de exercer-se.

A caridade moral consiste em se suportarem umas às outras as criaturas e é o que menos fazeis nesse mundo inferior, onde vos achais, por agora, encarnados. Grande mérito há, crede-me, em um homem saber calar-se, deixando fale outro mais tolo do que ele. É um gênero de caridade isso. Saber ser surdo quando uma palavra zombeteira se escapa de uma boca habituada a escarnecer; não vê o sorriso de desdém com que vos recebem pessoas que, muitas vezes erradamente, se supõem acima de vós, quando na vida espírita, a única real, estão, não raro, muito abaixo, constitui merecimento, não do ponto de vista da humanidade, mas do da caridade, porquanto não dar atenção ao mau proceder de outrem é caridade moral.

Essa caridade, no entanto, não deve obstar à outra. Tende, porém, cuidado, principalmente em não tratar com desprezo o vosso semelhante[…]. – Irmã Rosália (Paris, 1860) (O Evangelho Segundo o Espiritismo, p.232)

Precisamos sempre observar nossas atitudes, nossas palavras e nosso silêncio, tomar conta do que amamos, trazer para perto aqueles que nos odeiam, desprezam, tenham por nós qualquer sentimento contrário ao amor, por simplesmente não nos conhecer e vice-versa.

Agir com sabedoria!

Sim, três é demais


É cada coisa que encontramos na TV, na internet, na vida… Enfim, cada coisa.
Se conselho fosse bom, será que eu ou você ou quem quer que seja, não estaria vendendo?

Pois é, o Yahoo achou de comprar um conselho nada aconselhável e que eu não suportei ler sem ter deixado o comentário que deixei e que segue abaixo, começa em “Ridículo…”…

Desde quando “enganar só uma vez”, “pular a cerca só uma vez”, vale para que a pessoa seja feliz?

É melhor acreditar que o mundo vai acabar mesmo em 2012… aiai!

Ridículo! …

Quer “pular a cerca só uma vez”, “passear na grama verdinha”, quer aproveitar? Fica solteiro(a).

Só o que faltava era o yahoo, além das novelas da globo, levar em consideração uma hipocrisia dessa, considerar que Arthur Henrique Chioramital, em, especial para o Yahoo! Brasil, com tal comentário, seja capaz de nos dar conselhos e, pior, de tão baixa categoria.

Porque não continuar solteiro(a) e aproveitar a vida? Em vez de, por conta de “um dia sem luz, um dia de traição” – “e que essa não seja recorrente” ? – porque em vez de toda essa porcaria a pessoa não optar por estar solteira e ai sim aproveitar, em vez de – “só uma vez”? – pelo amor de DEUS.

Independentemente de “só um comentário”, “só um artigo”, não importa, é ser hipócrita e ensinar hipocrisia. E quem é Ivete Sangalo e ou Rodrigo Santoro para serem espelhos, podem sim, ser a “ótima” cantora “pop” ou de música baiana e um excelente ator, e realmente um excelente ator, fora isso, eu sou eu, você é você, o outro é o outro e CARÁTER É CARÁTER!

RIDÍCULO YAHOO!
Quer ler o artigo? Clique aqui.

Instituto Bom Aluno da Bahia – ADEBORI


Imagem

Primeira franquia sócio-educacional no Nordeste a desenvolver sua tecnologia educacional, “batizado” com o sobrenome de ADEBORI, que significa “Aquele(a) que veio para vencer“, o Instituto Bom Aluno da Bahia iniciou suas atividades em 09 de agosto de 2004 e se qualifica como Organização da Sociedade Civil de Interesse PúblicoOSCIP – desde outubro de 2009.

A Missão? Desenvolver os jovens que se destacam em escolas públicas, assistí-los tornando-os independentes intelectualmente, capacitados para o futuro mercado de trabalho.

Conheça mais sobre a história desse Programa, torne-se um parceiro, incentive a prática da boa educação escolar, pessoal, profissional.

Como instalar o Oracle Java 8 no Ubuntu


Com a exigência da Oracle, com este novo licenciamento, em que o usuário deve instalar o Java através do site deles, traz muitas dificuldades para os usuários mais comuns. Essas dificuldades não só estão no fato de ter de ir ao site buscar o java, mas principalmente no procedimento altamente complexo para quem não está habituado ao terminal.
Porém, já que passei pelas mesmas dificuldades, ao procurar, encontrei uma solução no Ubuntued e agora é só instalar e voltar a utilização normalizada… Ufa!
Passos a seguir para uma boa instalação (Via terminal):
1. Verificando qual a versão atual do java:
~$ java -version
2. Removendo versão atual para instalação limpa do oracle java 8:
~$ sudo apt-get purge openjdk*
3. Instalando:
3.1. Primeiro, adicionando repositório e atualizando após instalar repositório:
~$ sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/java && sudo apt-get update
3.2. Instalando Oracle Java 8:
~$ sudo apt-get install oracle-java8-installer
4. Agora é só verificar mais uma vez a versão instalada:
~$ java -version
Para verificar se a instalação foi feita corretamente, basta visitar o site JAVA.
Agora é só voltar ao que era antes, ao tentar consultar o internet banking, já que era o maior dos problemas em termo de reclamações.
Forte abraço!

O Barbeiro


O florista foi ao barbeiro para cortar seu cabelo. Após o corte perguntou ao barbeiro o valor do serviço e o barbeiro respondeu:

– Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O florista ficou feliz e foi embora.

No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um buquê com uma dúzia de rosas na porta e uma nota de agradecimento do florista.

Mais tarde no mesmo dia veio um padeiro para cortar o cabelo. Após o corte, ao pagar, o barbeiro disse:

– Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O padeiro ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, ao abrir a barbearia, havia um cesto com pães e doces na porta e uma nota de agradecimento do padeiro.

Naquele terceiro dia veio um deputado para um corte de cabelo. Novamente, ao pedir para pagar, o barbeiro disse:

– Não posso aceitar seu dinheiro porque estou prestando serviço comunitário essa semana. O deputado ficou feliz e foi embora. No dia seguinte, quando o  barbeiro veio abrir sua barbearia, havia uma dúzia de deputados fazendo fila para cortar cabelo.

Essa é a diferença entre os cidadãos e os políticos. (Autor desconhecido – Quem souber sobre o autor, favor me informar. Obrigado)

 “Os políticos e as fraldas devem ser trocados frequentemente e pela mesma razão.” – Eça de Queiróz


Rifa do Burro


Certa vez três meninos, Amador, Edir e Gilmar foram ao campo e, por 100 reais, compraram o burro de um velho camponês. O homem combinou entregar-lhes o animal no dia seguinte. Mas quando eles voltaram para levar o burro, o camponês lhes disse:

– Sinto muito, amigos, mas tenho uma má notícia. O burro morreu.
– Então devolva-nos o dinheiro!
– Não posso, já o gastei todo.
– Então, de qualquer forma, queremos o burro.
– E para que o querem? O que vão fazer com ele?
– Nós vamos rifá-lo.
– Estão loucos? Como vão rifar um burro morto?
– Obviamente não vamos dizer a ninguém que ele está morto.

Um mês depois, o camponês se encontrou novamente com os três garotos e lhes perguntou:

– E então, o que aconteceu com o burro?
– Como lhe dissemos, o rifamos.

Vendemos 500 números a 2 reais cada um e arrecadamos 1.000 reais.

– E ninguém se queixou?
– Só o ganhador. Porém lhe devolvemos os 2 reais e ficou tudo resolvido.

Os meninos cresceram e fundaram um banco chamado Bradesco, uma igreja chamada Universal e o último tornou-se Presidente do Supremo Tribunal Federal!

Respectivamente:
Amador Aguiar, Edir Macedo e Gilmar Mendes

Saber se é verdadeira a história, não sei, mas me da uma sensação estranha, do tipo “eu já vi algo assim”, então, por mais que possa parecer uma piada e conhecendo os personagens eu não acharia estranho, apenas abriria mais os olhos.

Até quando?!

Quem é você?


Pergunta difícil… Muitas vezes me pego em frente ao espelho indagando ao reflexo: “Quem é vc? O que faz nesse corpo? Porque não sai? Porque você? Porque agora? Porque não antes? Porque não depois? Porque não mais?… Porque?”

E por ai vai, até me achar mais estranho, porque, mesmo diante dessas perguntas, querendo resposta, não as quero responder, não quero questionar, porque, saber custa, e custa quando você diz se conhecer e o outro não entende, apenas critica, não compreende, raro quando há o que aceita, sem crítica, tolera, custa a distância ao ser rejeitado, custa o apego ao querer rejeitar, dói em mim e dói em quem recebe de mim… Já somos tão confusos por querer algo além de um simples sentimento e a suave resposta – “Só sei que gosto de você, que quero você, ora bolas!”- queremos ter mais, queremos exceder o sentimento “espiritual”, aquele que nos deixa “nas nuvens”, que quer nos manter sempre junto de quem gostamos… Fica cada vez mais complicado responder essa pergunta – “Quem é você?” – se sei apenas meu nome, cpf, carteira de trabalho, matrículas, login, senhas, etc e tal, ah, rg, além disso, nada além a saber…

Hum, algo sucedeu…

Sei que gosto de um bom sorriso e que este seja verdadeiro, sei que gosto de boa gargalhada e que esta     seja, também, verdadeira, sei que gosto de bom humor, afinal, sem ele, sem sorriso e o mundo, disso eu sei, fica esquisito, triste, chato. Honestidade também é bom, não faltar com respeito é também bom, melhor, é excelente quando há respeito. Amizade. Ah, a amizade, como não falar da amizade, essa é algo que não podemos passar pelo mundo e deixar de ter. Sei também que gosto de boa inteligência, sim, boa, porque aquela que é má, “não rola”, só poderia não prestar, por isso a boa, essa sim vale a pena, basta-se e isso, por enquanto, é o bom saber. Pelo menos, até o exato momento, em esse “fim da folha”, com essas poucas palavras, é… Sabe!

Devorar com devoção


Que me perdoe todo e qualquer devoto. Minha religião é DEUS!

Só se para trânsito, muda-se rotas… enfim, TOMA-SE ATITUDES MESMO, quando o assunto é festa, devoção é pretexto para MAIS FESTA. Vamos parar o trânsito, vamos chamar um trio, vamos incentivar passeatas com imagens, vamos imaginar que está tudo fluindo perfeitamente, vamos emudecê nossas angustias, vamos mudar as rotas, vamos arrotar discursos sem sentido, sem força, sem planejamento, sem método eficaz, sem prazer, sem vingança, sem, sem,… , sem, … Aaaah… O duro é acordar na ressaca, é secar de desgosto.

Acrescentarei aos planos futuros, dessa nossa República Federativa do Brasil, 300 anos para que melhorem, e fiquem “chuchu beleza”, “retado”, “filé”, “supimpa”, …, qualquer uma dessas tantas gírias, explorem com eficácia nossa parte melhor, nossa melhor… Melhor calar… As vezes morrer logo é a melhor saída, não seria fugir – Seria assumir que se cansou? Não sei, pode ser. Oh, quer saber, sei lá. Deixa pra lá, não há quem ouça mesmo. Daí, fica eu e você, papel ou quem lê, assim, imaginando qualquer outra ótima solução, sem saber por onde começar, com quem contar, vendo a banda passar, “o coro comer”, deputado/senador/ministro/prefeito/vereador roubar, escandalo desaparecer, a luz apagar, o copor amolecer, começar a dormir, noite acabar e mais um dia amanhecer…

Ao nosso teatro de fé, a toda nossa fé, a toda festa nossa…

Nota mental


Há tanta coisa acontecendo ao redor, tanta gente, tantos planos e tantos incompletos, tantos gestos, tudo em tanto…
Se for para parar que pare logo, se for para dizer, que diga logo, imediatamente insista ou desista, seja qual for o seu caso ou problema.

Descansar é uma fortuna, há tanto no que pensar, só não sei exatamente em que ponto mirar e começar ou recomeçar, seja qual for o ponto de vista. Sei que quando olho para trás e onde estou, suspiro, me encho de pergunta, olho ao redor, não há quem me responda, suspiro, um minuto ou mais para uma breve oração… Um minuto, será que é por tão pouco tempo dedicado à alma? Já não sei responder a esta pergunta também. Sei que confusão é o que não deixa de existir, solução poucos tem, até mesmo porque conselho geralmente não se é seguido, até que se observe que realmente não se seguiu.

Fato. Se olhar ao redor verá tudo estranho, é só parar e observar. Ou você não notou na roupa que você nunca usaria, na literatura ou musicalidade que jamais corresponderia, etc? Será que estou ficando cada vez mais chato, ou porque ouço as vezes que sou grosso – Grosso? – Oh, deixa isso pra lá! – Ranzinza, eu? Tá, você pode ter razão, a partir de um determinado ponto de vista, claro.

Nota mental, nunca esquecer sobre qual ponto de vista estou discutindo!

(…) Terra, até a palavra soa estranho pra mim, não familiar. Quanto tempo passei fora, há qto tempo voltei, isso importa?
Tentei achar o ritmo do mundo onde vivia antes, seguir o fluxo, de forma silenciosa e com atenção, fiz um esforço consciente para sorrir, concordar, ficar de pé e fazer os milhões de gestos que fazem parte da vida na Terra, estudei esses gestos até que se tornaram reflexos novamente, mas não deixava de pensar que tinha me enganado ao lembrar dela, que de alguma forma tinha me enganado sobre tudo.(…) – Filme: Solaris, 2002.

RedJunior